segunda-feira, 1 de junho de 2015

Eu-lírico amarrotado

Certa vez estava lendo o livro "Caminho, verdade e vida", psicografado por Chico Xavier, pelo Espírito Emmanuel e me deparei com uma frase muito interessante no final do texto 58 que dizia o seguinte: "(...) de nada vale ganhar o mundo que te não pertence e perderes a ti mesmo, indefinidamente, para a vida moral". Essa frase me fez refletir muito sobre diversas situações da minha vida, em especial, naquelas em que eu resolvi mudar características peculiares da minha personalidade para tentar agradar outrem. Digo "tentar" porque na maioria das vezes que desviei-me de mim mesma, além de continuar desagradando as pessoas ao meu redor, eu me tornei infeliz pelo simples fato de não gostar de ser outra pessoa além de minha essência. Minha essência: ser quem eu sou independente do que os outros acham, do jeito que eu gosto de ser, falando as bobagens que eu gosto de falar, tomando decisões para a minha vida de acordo com os meus valores e minhas crenças. Como já dizia o poeta, "cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é".

Não adianta fazer escolhas de acordo com a opinião dos outros porque é você quem terá que conviver consigo mesmo, com seu eu-lírico. E, certamente, existem muitas pessoas no mundo que admiram a sua essência!

Peço que faça uma experiência, caro leitor: enumere quantas pessoas se importam com você, quantas pessoas sentem a sua falta perante sua ausência, quantas pessoas valorizam a sua essência e quantas pessoas estariam ao seu lado nos seus momentos de sucesso (sucesso sim, porque é muito mais fácil ser solidário e ajudar ao próximo do que aplaudir de pé as conquistas alheias que ofuscam nossas invejosas almas orgulhosas). Contou quantas pessoas são? Chame este número de X. Enumere, agora, quantas pessoas te criticam, quantas pessoas dizem que você precisa mudar e te induzem a seguir um caminho que muitas vezes você não concorda. Chame este número de Y. Agora compare seu X e seu Y.
Se o seu X for maior que o seu Y, veja como você é querido e saiba que você tem grandes amigos perto de você. Se o seu Y for maior, você provavelmente está cercado pelas pessoas erradas, que talvez não compreendam a beleza do seu eu-lírico.

É fundamental destacar que esta não é uma crítica a ninguém. É apenas uma reflexão pessoal que reflete todas as porradas que a vida me deu e me fez entender que, mais do que tudo, devo amar minha essência. Porque a única pessoa de quem não podemos nos afastar somos nós mesmos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário